A REINTEGRAÇÃO DE POSSE.

Certa vez, trouxeram ao Mestre Niestévisky, um jovem rapaz que estava possuído pelo Demônio. O sujeito estava realmente incontrolável, babava, xingava, arranhava, cuspia, expelia fumaça pelos ouvidos, lançava fogo pelos olhos, soltava gazes flatulentos que tinham o cheiro do enxofre do inferno. E, como se não bastasse tudo isso, ainda havia um som misterioso de uma harpa paraguaia, que vinha sabe-se lá de onde. Enfim, para resumir, era uma situação insuportável.

O Mestre, depois de tomar ciência sobre o que se passava, resolveu ajudar aquela pobre criatura. Depois de um breve alongamento no seu corpo astral e de fazer alguns polichinelos para aquecer, o Grande Sábio pôs-se na frente do rapaz e disse:

Nistévisky: Demônio, saia já desse corpo, pois ele não te pertence!

Demônio: Não saio!

Niestévisky: Demônio! Saia já daí, em nome de Cristo!

Demônio: Não saio!

Niestévisky: Demônio! Pois então saia daí, em nome de Deus!

Demônio: Não saio!

Niestévisky: pois então, seu Demônio teimoso, saia desse corpo, em nome de Pedro!

Ao ouvir isso, o Demônio começou a rir e disse:

Demônio: pois se eu não saí ao ouvir o nome do filho e não saí ao ouvir o nome do pai, não será o nome de um simples apóstolo que me causará medo!

Então Niestévisky chamou Pedro, o segurança do templo. Um homem de 2 metros de altura, 150 quilos de músculos e com cara de assassino psicopata, o que, aliás, ele era realmente, antes de ser recuperado pelo Grande Sábio Niestévisky.

Bastaram 2 minutos de pancada para que o Demônio voltasse correndo para o inferno. O rapaz estava completamente livre. O jovem ficou tão agradecido, que assim que saiu da U.T.I, fez questão de agradecer pessoalmente ao Grande Niestévisky.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS CIGARROS.

DIÁLOGO SOBRE A RARÍSSIMA PANTERA NEGRA ANÃ DO ZIMBÁBUE.

PEQUENO DIÁLOGO SOBRE UM ANÃO... OU NÃO.